A Companhia

Logo Pandorga 10 Anos

Em 2018, a Pandorga continua a comemoração dos seus 10 anos de atividade com um ocupação artística na Casa da Literatura Peruana. Serão ao todo 12 apresentações dos nossos três espetáculos em repertório, apresentados em espanhol, e duas oficinas gratuitas.

Pandorga en Perú - Copia

O evento inclui também atividades no Centro Cultural Brasil-Perú, onde nossa companheira Daniele Geammal fará o lançamento do seu livro “Caldo Verde”, com uma sessão de narração do livro e degustação da sopa; e ministrará oficina para educadores. 

Mais detalhes na seção Agenda!

 

BREVE HISTÓRICO DA COMPANHIA

A Pandorga Companhia de Teatro é uma companhia de teatro sediada no Rio de Janeiro e que já soma 10 anos de atividades ininterruptas, agregando parceiros e delineando uma proposta artística centrada no trabalho do ator. Com um perfil de espetáculos para a família, ou para todos os públicos, a Companhia mantém atualmente em repertório suas três produções.

O Menino que Brincava de Ser foi originalmente montado em parceria com a Realizo Produções, e que estreou em junho de 2007, no Teatro Maria Clara Machado. Inspirado no livro homônimo da escritora carioca Georgina Martins, O Menino continua em repertório e já conta com mais de 170 apresentações. O espetáculo já cumpriu uma bela trajetória: várias temporadas no Rio de Janeiro e em Niterói; circulações através de projetos como a 8ª Mostra SESC/CBTIJ de Teatro para Crianças, em 2008; projeto-piloto do Circuito SESI/CBTIJ de Teatro Infantil, em 2010; e SESI Cultural 2015; e participações em festivais e mostras em Minas Gerais, Brasília e São Paulo. Como espetáculo convidado, O Menino que Brincava de Ser foi o único espetáculo para a infância e a juventude a integrar o “Dramática em Cena”, programação teatral do 21º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, com apresentações em novembro de 2013, na Sala Jardel Filho, no Centro Cultural São Paulo. Em 2015, o espetáculo recebeu duas indicações ao 2º Prêmio CBTIJ de Teatro para Crianças, nas categorias Texto Adaptado (Cleiton Echeveste) e Atriz (Tatiana Henrique).

O segundo espetáculo da Pandorga, Cabeça de Vento, montado em parceria com a Gam Produções, foi contemplado com o 1º Prêmio Montagem Cênica/2011, da Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro, e contou com o patrocínio da Petrobras. Cabeça de Vento é o primeiro texto original para teatro de Cleiton Echeveste, que também é o diretor da montagem. Estreado em março de 2012, no Centro Cultural Justiça Federal, o espetáculo continua em circulação, já tendo cumprido diversas temporadas no Rio de Janeiro e em Niterói, além de ter participado de diversos festivais de teatro no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina. O espetáculo recebeu um total de treze prêmios nos Festivais Nacionais de Teatro de Guaçuí/ES, Duque de Caxias/RJ e Ponta Grossa/PR, além de três indicações ao 7º Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil, nas categorias Ator (Jan Macedo), Figurino (Daniele Geammal) e Produção. Foi ainda o único espetáculo brasileiro selecionado para o 8º FESTECA, festival de teatro que acontece em Luanda, Angola. Em junho de 2013, a peça foi lançada em livro, pela Giostri Editora (SP).

A terceira estreia da Pandorga foi Juvenal, Pita e o Velocípede, em 2015. O espetáculo foi a primeira parceria da Pandorga com um diretor convidado, neste caso o ator, diretor e contador de histórias Cadu Cinelli (do grupo Os Tapetes Contadores de Histórias). Com dramaturgia de Cleiton Echeveste, o espetáculo tem atuação de Eduardo Almeida. A peça já cumpriu diversas temporadas no Rio e Niterói (Centro Cultural Justiça Federal, Teatro Maria Clara Machado, Teatro Cândido Mendes e Teatro Ziembinski), além de ter circulado por diversas unidades da Rede Sesc Rio e participado do SESI Cultural 2016, com apresentações no Rio, Grande Rio e interior do estado. O espetáculo ganhou os prêmios de Melhor Ator, para Eduardo Almeida, na segunda edição do Prêmio CBTIJ de Teatro para Crianças, e de Melhor Texto, para Cleiton Echeveste, e Melhor Iluminação, para Ricardo Lyra Jr., na décima edição do Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil, além de diversas outras indicações nas categorias melhor espetáculo, direção e figurino.

Além de manter os três espetáculos em circulação, a Pandorga trabalha no projeto de seu novo espetáculo para toda a família, que chegará aos palcos em 2018.

O núcleo de gestão e administração da Pandorga Companhia de Teatro é formado por Cleiton Echeveste (dramaturgo e diretor) e Eduardo Almeida (ator e produtor), e a companhia reúne diversos outros parceiros regulares, em todas as áreas da criação teatral.

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário